Valença, 20 de maio de 2013

O distrito de Parapeuna está localizado ao norte do Município de Valença, Estado do Rio de Janeiro, na Região Sudeste do Brasil. É o segundo menor distrito com somente 147Km, que abrange 11% da área total, sendo o menor em população onde concentra 2.000 habitantes, 2,7% da população do Município. A densidade demográfica é de 12,04 Km2.

Os Municípios limítrofes deste distrito são: ao norte, Rio Preto; ao sul, os distritos de Pentagna e Conservatória; a leste o Estado de Minas Gerais e a oeste, Pentagna.

O distanciamento do distrito de Parapeuna ao distrito sede (Valença) é de 28 Km e ao distrito vizinho, Pentagna a 15 Km por estrada de asfalto, já da capital do Estado do Rio de Janeiro é de 189 Km.

Clima
Uma característica marcante em todo o Município, inclusive o distrito de Parapeúna, é o excelente clima do tipo tropical de altitude com temperaturas amenas, e muito saudável devido à baixa umidade relativa do ar. Parapeuna apresenta estações climáticas bem definidas: uma de maior precipitação pluviométrica, e outra de estiagem. A estação das águas ocorre nos meses mais quentes, de dezembro a fevereiro, quando a temperatura média é de 26ºC. Nos meses mais frios, de junho a agosto, época da estiagem, a temperatura média é de 15ºC.
Hidrografia
A região de Valença se situa entre dois grandes rios: o Rio Paraíba e o Rio Preto, que são os limites ao norte e ao sul, com outros Municípios.

A rede hidrográfica interna irriga bem toda esta região, com nascentes, riachos e açudes, que vão aos poucos compondo os rios que cortam o Município.

O Rio Preto separa Valença do Estado de Minas Gerais e banha os distritos de Parapeuna, Santa Isabel e Conservatória. Ao longo deste rio temos uma hidrelétrica que fornece energia e desenvolvimento. Sendo ele um dos últimos grandes do Estado do Rio de Janeiro que não se encontram poluídos por resíduos industriais.

Aspectos Econômicos
A atividade econômica predominante é a pecuária leiteira e de corte. O leite produzido é comercializado com a Cooperativa Agropecuária de Rio Preto que fornece boa parte da produção para a CCPL no Rio de Janeiro e com os Laticínios Grupiara, ambos fabricam produtos derivados do leite, como queijo e manteiga. A partir da década de 1960, os pequenos produtores rurais passaram a explorar a agroindústria (doces, compotas, queijos) além de trabalhos artesanais que são vendidos aos turistas, moradores de Rio Preto (MG) e Parapeúna, no próprio estabelecimento rural ou através da casa do artesão de RP que contribui para aumentar a renda das famílias locais.
Igreja de Santa Therezinha do Menino Jesus
O distrito de Parapeúna tem como principal construção à capela da padroeira Santa Therezinha do Menino Jesus, em estilo neogótico. Em 28 de outubro de 1929, deu-se a fundação do curato de Santa Therezinha desmembrada da Paróquia Santo Antônio do Rio Bonito, Conservatória. Em 17 de novembro deste mesmo ano era inaugurada oficialmente a paróquia com bênção da pedra fundamental pelo Bispo Diocesano Dom André Arcoverde. A Igreja foi construída com a ajuda da comarca municipal de Valença, em terreno doado pela senhora Maria Lúcia Assis e Silva, onde se construiria também um cemitério.

As obras se iniciaram em 17/05/1930 e seu término deu-se em 30/09/1935 com solene inauguração. O primeiro pároco foi Pe. Manoel Formiga e logo substituído pelo Pe. Antonio Fernandez, ambos da ordem de Santo Agostinho. Durante quarenta anos (1953-1993) a paróquia esteve sob os cuidados pastorais de Padre Ricardo Shauf. Desde 1999 é pároco o Pe. Luiz Fraga Magalhães.

Estação Ferroviária Margarida Maria Leite
A estação de Rio Preto foi aberta em 1880, como ponta de linha da E. F. Valenciana. A linha corria nesse trecho na margem sul do rio Preto, que divide os Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Curiosamente, a estação tinha o nome da cidade que estava em solo mineiro, do outro lado do rio, a cerca de cem metros apenas da estação. A cidade de Rio Preto era alcançada por uma ponte. A estação ficava em solo fluminense, no município de Valença, próxima à fazenda Santa Fé . Nos anos 40, o nome da estação foi alterada para Parapeúna, nome do atual distrito do qual a vila é sede. A estação foi incorporada, juntamente com a ferrovia Valenciana, pela Central do Brasil em 1910, passando a fazer parte do ramal de Jacutinga da Rede de Viação Fluminense, que seria logo prolongado, unindo a Linha Auxiliar com Santa Rita de Jacutinga, já em Minas Gerais. Em 1972, o trecho foi extinto e a estação, desativada.
Fazenda São Fernando
Francisco Dionyzio, filho de José Pedro de Bustamante e Sá e de Maria Vitória de Bustamante e Sá, Guarda-Mor do Registro de Rio Preto, vindo de São João D’el Rei, recebeu e adquiriu várias sesmarias pelas margens do Rio Preto até as vertentes da Mantiqueira e também em sua margem direita, é considerado um dos fundadores da cidade de Rio Preto, MG. A Sesmaria que deu origem a Fazenda São Fernando foi herdada por Carlos Teodoro de Souza Fortes, Barão de Santa Clara, de sua mulher e prima Isabel Henriqueta Fortes de Bustamante, filha de Francisco Dionyzio e que havia recebido deste como dote de seu casamento.

A fazenda São Fernando possui sede em forma de L, com fundos encostados em barranco, o que propicia a existência de um porão por toda a extensão da sua fachada principal. A lateral direita e a fachada principal são circundadas por uma varanda que, certamente, não fazia parte do projeto original.

O casarão está bem conservado, possuindo interessante capela interna, ainda existe o engenho de café todo envidraçado, com roda d’água já desativada mas ainda no lugar e com os vestígios de circulação de água que a acionava para gerar a força motriz. Também se vê muitas construções como tulhas, senzalas, etc. e que foram adaptadas para os serviços de hoje, grandes trechos calçados com enormes lajes de pedras atestam a importância da fazenda. Os terreiros de café, em frente a casa sede, hoje são gramados e o  conjunto de edificações, no passado, certamente fechavam um retângulo com os terreiros ao centro. A fazenda passou a fazer parte do império econômico do Cel. Manoel Joaquim Cardoso, nos primeiros anos da República.

Hotéis e Pousadas

Pousada Rural Solar dos Passarinhos
Estrada Valença / Parapeuna, Km 23,5
Tel: (32) 8402-7919
www.solardospassarinhos.blogspot.com